segunda-feira, maio 25, 2015

ANJOS DE PLÁSTICO



Na tarde vazia de varais e lençóis
os azuis de anil  não resistiu à saudade
e escorreu pelas portas e vidraças
--fechadas –
dos apartamentos.
A tarde continua a mesma dos antigos tempos,
brincando de desfiar cortinas de plástico
prá enganar o sol, no fim do dia.
Mas os carros nos engarrafamentos
matam seus motoristas engasgados com a fumaça,
cegam os seus olhos e murcham os seus corações
para qualquer paisagem que não seja o caos
cinza concreto prédio buzina:
ninguém mais enxerga asa de anjo que se abana
sentado na mureta do rio, mirando o pôr do sol.

Homem da cidade grande des-vê.

Imagem: Adrina Borda



Postar um comentário